quarta-feira, 22 de maio de 2013

Relato de Campanha Capítulo 3: Os Deformados

A medida que os cinco heróis caminham, percebem algumas pegadas de uma espécie de animal desconhecido, algumas são muito grandes, outras pequenas. Quanto mais se aprofundam na trilha mais freqüentes ficam estas pegadas. De repente ouvem barulho de movimentação na mata. O barulho parece vir de todos os lados e fica mais alto como se estivesse cada vez mais próximo. 



Algo atravessa a trilha atrás de Davi que vem por último, quando todos se voltam para ver o que foi, um novo vulto atravessa a trilha, agora atrás de Léo que ia a frente do grupo. Seus corações aceleram, as narinas e os olhos se abrem mais a procura de algum sinal do inimigo e a respiração dos jovens torna-se mais curta. A transpiração exalando o cheiro do medo e os músculos tensos, cada um dos jovens guerreiros de arma em punho, prontos para o pior.

Então um bando de criaturas grotescas de diversos tamanhos sai da mata. Têm uma aparência humanoide, mas andam encurvadas, algumas usam um dos braços para se locomover, como se fosse uma terceira perna, sua pele é formada por uma espécie de casca grossa e escura, em alguns pontos saem tufos de pelos grossos e estão armados com paus e pedras. De suas bocas saem grunhidos e gritos que mais parecem frases.

- Chega de intolerância! 

- Deixem-nos em paz! 

- Estamos bem assim, não queremos mudar! 

- Vocês não são os donos da Verdade!

Um dos maiores tenta atacar Antígona, mas antes mesmo que o soldado possa tocar a criatura com a Espada do Espírito esta vai ao chão inconsciente. O mesmo acontece com outra criatura que tentava atacar o caçador mas ao aproximar-se da Lampada da Palavra foi ao chão. As demais criaturas param onde estão. No mesmo instante a Couraça da Justiça começa a brilhar e Bruce tem uma visão.

- Há homens dentro destas criaturas! - Grita o soldado real espantado. 

Os cinco amigos se entreolham e logo cada um entende o que tem que fazer. Todos cuidadosamente guardam suas armas e levantam as mãos em sinal de paz. As criaturas permanecem onde estão apenas olhando. Só então os jovens percebem a expressão de terror e medo nas pobres criaturas. 

- O que faremos? - Pergunta Gamaliel. 

- É notório que estes pobres homens foram enfeitiçados de alguma forma. 

- Precisamos descobrir como ajudá-los. - comenta Léo.

Então o pastor retira o Capacete da Salvação de sua cabeça e o coloca na cabeça da criatura que tentara atacar Antígona. Uma luz muito forte ofusca a visão de todos e quando gradativamente voltam a enxergar, veem um homem vestido com roupas parecidas com as dos sábios do castelo. 

- Eu conheci a Verdade, estudei com os sábios do Rei, mas me deixei levar pelas ideias de Sanatas e vendi a “Verdade” pela promessa de poder. - a voz do homem sai fraca e embargada. 

- Ele está falando do Cinturão. - afirma o clérigo Gamaliel. - E onde está o cinturão? - Gamaliel pergunta chegando perto do homem.

- Não estou mais com o cinturão, mas vi quando o Omsinredom Sop colocou o cinturão numa caixa metálica e alguns lacaios a levaram para dentro da Gruta da Caveira. Lá é o covil do Relaht Vishmo e fica a um dia de viagem daqui seguindo pela trilha. - aos poucos o homem vai recobrando suas forças e sua voz já sai mais clara. 

- Ótimo, vamos ajudar estes pobres homens e depois seguimos viagem. - Disse Davi.

- Não podemos perder tempo. Temos uma missão a cumprir, deixemo-los aí. - era possível notar a urgência na voz de Bruce, afinal ele tinha um dever para com o rei.

- Você gostaria de ser deixado assim? - O olhar de censura de Antígona deixou seu companheiro desconsertado.

- Você tem razão. Vamos ajudá-los.

Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário, mas mantenha o respeito. A partir de 12/03/14 só serão aceitos comentários identificados, assuma seu ponto de vista, identifique-se. Comentários com palavrões e ofensas serão excluídos, todos os demais (mesmo que discorde do ponto de vista apresentado) serão publicados e na medida do possível respondidos.