sábado, 16 de abril de 2011

O RPG como ferramenta de evangelismo.

O RPG tem sido muito utilizado em escolas para melhorar a eficiência do ensino, tornando o processo de aprendizagem mais dinâmico e atrativo aos alunos. Há um tempo li o livro "Saindo do Quadro" de Alfeu Marcatto (1996), que tratava do assunto RPG como ferramenta pedagógica. No livro o autor dava uma série de sugestões de como utilizar o RPG para ensinar diversas matérias. Lembro-me que o autor dizia, por exemplo, que se poderia montar uma aventura espacial de RPG para ensinar de forma “prática” conceitos de física como, massa, peso, aceleração, forças e gravidade, onde os jogadores teriam que fazer cálculos de física para o sucesso da missão. Uma aventura do tipo “Viagem Insólita”, onde o grupo de personagens é encolhido a uma proporção celular e inserido no corpo humano, pode ser uma excelente forma de ensinar anatomia e biologia.
Capa do Livro "Saindo do Quadro" de Alfeu Marcatto

Sendo assim, porque não utilizar o RPG como ferramenta de evangelismo.

A maior barreira a ser vencida é a do nosso próprio preconceito e falta de conhecimento.  Temos que levar em conta aqui que o que está em pauta não são os diversos livros de RPG que abordam Temas Obscuros, e sim o sistema de jogos RPG (que se extraindo os cenários e conteúdos ligados ao ocultismo, é um jogo como qualquer outro). A verdade é, que devido a alguns fatos ocorridos há algum tempo, o RPG tornou-se a bola da vez para os “caçadores de bruxas”, a exemplo do que já ocorreu com as histórias em quadrinhos, os vídeo games, a internet e até mesmo a televisão.

Nós cristãos em especial os evangélicos (onde também me enquadro) precisamos parar de demonizar tudo e dizer que qualquer coisa da qual nós não gostemos ou não entendamos é do Diabo. Deus é o Senhor dos céus e da Terra, o Diabo só tem aquilo que nós damos para ele. Existe uma turma por aí que diz que a “Televisão é a Imagem da Besta”, então como explicar as milhares de pessoas que têm um encontro com Cristo através dos programas evangélicos de Televisão?

Não podemos cair no erro de generalizar toda uma classe de pessoas ou objetos por causa dos atos de alguns poucos. O RPG é como a televisão e a internet, pode ser benção ou maldição, depende de como você utiliza.

 Mas vamos voltar ao foco. Imagine um grupo de jovens reunido ao redor de uma mesa interpretando personagens bíblicos e aprendendo com isso os preceitos de Deus.  Ou então uma aventura de RPG onde os personagens precisam percorrer um estreito caminho cheio de obstáculos e criaturas que tentarão impedi-los de chegar ao Reino de Deus. Ontem assisti ao filme “O Peregrino” baseado no livro de mesmo nome como já citei neste blog, e pude ver claramente todos os elementos de um jogo de RPG na jornada que os personagens do filme fazem.

Ilustração do mapa (típico de RPGs) da jornada de Cristão (personagem de O Peregrino) rumo à cidade Celestial
Imaginem uma aventura de RPG onde os jogadores fazem parte dos discípulos que Jesus enviou em Lucas 10:1. Ou então um grupo de crentes que foram deixados para trás e tentam sobreviver no período da Tribulação enquanto tentam ganhar mais almas para Jesus. Seria um exercício de evangelismo para os jovens cristãos e uma oportunidade de falar do amor de Deus explicando o plano de Salvação durante um dialogo da aventura. As possibilidades são inúmeras, levando os jovens à leitura da Bíblia e até as pesquisas teológicas para aprimorar suas aventuras.  Um grupo de jogadores cristãos que convida um jogador não crente para um jogo onde a palavra de Deus lhe é apresentada. Um grupo de jogadores cristãos jogando aventuras bíblicas ou cristãs em meio a um congresso de RPG, levando luz às trevas literalmente.

Porque não lançar mão dos recursos que Deus tem colocado à nossa disposição para levar a Palavra de Deus a todos. Por que descartar e marginalizar uma ferramenta só porque Satanás a usurpou e utilizou primeiro.


Que Deus abençoe a todos.

8 comentários:

  1. Sugiro dar uma olhada nos atributos de virtude do RPG Pendragon e em como os jogos de computador da série Ultima (principalmente o IV e o V) lidam com as virtudes e suas conseqüências em termos de jogo.

    Inspirando-se no Ultima, por exemplo: Se os personagens tiverem reservas de pontos de Verdade, Coragem e Compaixão que influenciam em suas jogadas e podem ser perdidos por meio de ações pecaminosas (mentiras, covardias e ódio), já seria um bom começo para um RPG com valores cristãos.

    ResponderExcluir
  2. Rafael,
    Obrigado pelas dicas, já ouvi falar muito bem do Pendragon, mas não tive acesso ao material ainda. Já os jogos da série Ultima, me lembro te ter jogado algumas vezes, mas não me atentei a estes detalhes, na verdade não me lembro qual era a versão que eu joguei, já faz muito tempo.

    ResponderExcluir
  3. Será que autores cristãos como Tolkien, Lewis e Bunyan estiveram brincando com Deus?

    Será que jogar um rpg baseado em obras de autores cristãos deveria ser considerado zombaria contra Deus?

    Não consigo encontrar respostas para essas dúvidas.

    A única coisa que vem em minha mente é aquela cena de Marcos 9:38-41.
    Nela Cristo volta-se para os apóstolos, que estavam enfurecidos por terem visto um estranho utilizando o nome de Cristo, e diz: Pois quem não é contra nós é por nós.

    ResponderExcluir
  4. Ultima Aliancarpg - Não tenho dúvidas a respeito disto. Cada um destes autores, assim como muitos outros citados aqui no RPG Cristão (Peretti, LaHaye, Jenkins) fizeram a sua contribuição para o cristianismo dentro de seus estilos literários.
    A contribuição de Bunyan talves seja a mais clara, já que faz uma alusão às "aventuras e desventuras" da vida Cristã.
    A obra de Lewis é recheada de preceitos e referências à Bíblia, o próprio Aslam representa Jesus.
    Já Tolkien, embora não conheça profundamente sua obra (só assisti aos filmes, o que é muito diferente de ler os livros) não podemos negar sua contribuição, uma vez que foi Tolkien quem levou Lewis a Cristo.
    Concordo com você com relação à passagem citada.
    Se Deus nos deu talento e criatividade por que não usá-los para glorificar o próprio Deus.
    Que Deus o abençoe.

    ResponderExcluir
  5. Graça e Paz a todos! Me chamo Rodrigo, 16, e estou muito contente, pois finalmente encontrei não só alguém, mas um grupo de pessoas neste blog que concordam comigo. O RPG não só pode como deveria e graças a Deus tenho visto que está sendo usado como meio evangelístico, parabenizo vocês. Quero estar ativo, ajudando no que puder e participando.
    Não sei se vocês conhecem (acredito que sim), mas há um programa para criação de RPG Eletrônico amador, chamado RPG Maker, estou inclusive querendo utilizá-lo também para este mesmo fim, deixo a ideia a disposição! Deus abençoe grandemente a todos vocês!

    ResponderExcluir
  6. Sou espírita, o que para muitos evangélicos é quase sinônimo de feiticeiro, mas achei o site no mínimo curioso. Será que alguém disporia a criar uma aventura de RPG para me evangelizar? Já joguei muito PBEM e PBF.

    Se alguma "alma caridosa" tiver afim, meu e-mail é leomar.omni@hotmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leomar, não é bem assim, respeito o Espiritismo como qualquer outra religião, embora discorde em muitos pontos, tais como reencarnação e mediunidade. A Bíblia é bem clara quando diz que não devemos consultar os mortos. Levítico 20:6, Deuteronômio 18:10-11, Isaías 8:19-20 só para citar algumas.
      Sem falar em Eclesiastes 12:7 - e o pó volte para a terra como o era, e o espírito volte a Deus que o deu.
      Jó 7:9-10 - Tal como a nuvem se desfaz e some, aquele que desce à sepultura nunca tornará a subir. Nunca mais tornará à sua casa, nem o seu lugar o conhecerá mais.
      Hebreus 9:27-28 Da mesma forma, como o homem está destinado a morrer uma só vez e depois disso enfrentar o juízo,
      assim também Cristo foi oferecido em sacrifício uma única vez, para tirar os pecados de muitos; e aparecerá segunda vez, não para tirar o pecado, mas para trazer salvação aos que o aguardam.
      O evangelismo não se presta simplesmente a desafios de conquistas pessoais para discussão de doutrinas religiosas. É expressão de amor ao compartilhar com alguém a mensagem de paz e salvação na qual se crê. O artigo fala de uma proposta de como utilizar um jogo altamente descriminado pela maioria dos evangélicos para levar a palavra de Deus a outras pessoas.
      Se você tem tanto desejo de conhecer a Cristo e esse desejo é sincero, não apenas uma afronta (me perdoe se estiver errado, mas é o que parece), então o conselho que te dou é: Peça a Deus em nome de Jesus Cristo para livrá-lo de todo preconceito religioso e mostrá-lo a verdade em Sua Palavra (Bíblia) começando pelo Novo Testamento. Ou melhor, procure uma igreja comprometida com a Palavra de Deus, vai ser muito mais eficiente do que uma aventura de RPG.
      Que Deus te abençoe.

      Excluir
    2. Em tempo, se quiser só jogar, estamos aí. Quando tiver um tempo e algo legal te aviso.

      Excluir

Deixe seu comentário, mas mantenha o respeito. A partir de 12/03/14 só serão aceitos comentários identificados, assuma seu ponto de vista, identifique-se. Comentários com palavrões e ofensas serão excluídos, todos os demais (mesmo que discorde do ponto de vista apresentado) serão publicados e na medida do possível respondidos.